Descubra qual é o seu perfil financeiro

por Cláudia Santos

https://goo.gl/1jKFup

Você sabe qual o seu perfil financeiro? É do tipo que gosta de ter o controle da situação ou está sempre dando um jeitinho para pagar as contas? Ou  planeja bem, vive pensando no futuro e se organizando para realizar seus sonhos? Provavelmente você se reconheceu em alguma dessas características. Então descubra qual o seu. São os tipos mais comuns, segundo o estudo “Trajetória financeira do brasileiro, divulgado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O levantamento dividiu os brasileiros em cinco perfis quando se trata das finanças. Os entrevistados foram distribuídos entre construtor, camaleão, sonhador, planejador e despreocupado. Foram feitas pesquisas com quase 3 mil entrevistados pelo país.

Certo ou errado
Segundo a Anbima, não existe o tipo certo ou errado quando se fala de trajetória financeira. Há pessoas bem ou mal sucedidas, com mais ou menos dinheiro nas cinco formas de relacionamento definidas. Mas preste bem atenção onde você se encaixa e se precisa fazer alguma mudança de comportamento para alcançar o que pretende. Se está satisfeito, tudo bem. Veja como se comporta cada tipo.

“Poupo sempre que sobra”
Mesmo que seja um pouco por vez, o Construtor valoriza o dinheiro e costuma fazer economia. Mas não são estratégicos quando se fala em investimentos. Nesse perfil financeiro, se encaixa a maioria dos entrevistados, com idade média de 41 anos e ensino médio completo. Em comum, a preocupação com a segurança no futuro. As suas principais características são a disciplina, a persistência e o esforço para conquistar o que pretende financeiramente. É aquela figura a quem todos recorrem quando estão em dificuldade e, mesmo reclamando, gosta de ajudar.

Continua após Publicidade

Gastos consomem dinheiro do mês
“Todo dinheiro que entra é para pagar as contas do mês”. Essa é a frase mais citada pelo Camaleão e é assim que ele vive. Tem jogo de cintura para garantir a sobrevivência. Se tem dinheiro, gasta mais; se não, dá um jeito de arrumar, sempre levando a vida de forma positiva. É o tipo que não consegue poupar, até porque valoriza os prazeres simples da vida.Têm cartões de crédito com datas de vencimentos diferentes e usam o banco o mínimo possível. Nesse perfil estão 29% dos entrevistados e as mulheres são maioria, com 55%.

Guardar dinheiro é compromisso
É a maxima do Planejador, que sempre reserva uma parte do dinheiro assim que entra na conta. É o mais determinado entre os perfis analisados. Para eles, as metas são fundamentais. São movido por desafios e conseguem realizar o que desejam. Em geral, é alguém bem-sucedido no trabalho, negócios ou investimentos, independentemente da classe social. Se tem mais renda, aplicam no mercado financeiro ou investem em bens. Não medem esforços para ganhar mais, mesmo que precise mudar de emprego, de cidade ou área de atuação. Nesse grupo, 57% são homens. A maioria tem ensino superior e grande parte está na classe B.

Vivendo um dia de cada vez
Para o Despreocupado, dinheiro é sinônimo de prazer. Deve ser usado para fazer o que se gosta. Poupar não faz parte dos seus planos. O melhor é se integrar com pessoas, situações e eventos. Agarram as novas possibilidades com a certeza de que tudo vai dar certo. Não saem do sério mesmo que as contas estejam no vermelho. Sempre dá um jeito. Tende a gastar sem pensar. Seus objetivos: compras, diversão, viagens, experiências. Apesar dessa falta de apego ao dinheiro, sabem aproveitar uma boa oportunidade. Segundo a pesquisa, 59% dos Despreocupados são homens e 47% solteiros.

Dinheiro serve para realizar sonhos
O Sonhador é minoria, com somente 6% dos brasileiros. É inquieto e está sempre em busca de uma nova oportunidade de investir ou empreender. Mas geralmente se deixa influenciar pelas paixões nas suas escolhas. Acreditam no futuro e constroem seus sonhos em cima de valores e fortes crenças pessoais. Se não sair como pensado, permanece otimista e crente no futuro. Sua frase preferida é: “Quando eu conseguir realizar meus sonhos, eles vão me garantir uma vida boa”. É aparentemente impulsivo, mas busca um caminho racional para conseguir seus objetivos e geralmente acham que o caminho é poupar alto.

Poupar ou gastar?
Uma característica em comum entre os perfis financeiros relacionados pela pesquisa é que a maioria acha importante ter uma reserva financeira. Mas, na hora de agir para formar uma poupança, o resultado não é o mesmo. A pesquisa perguntou como os brasileiros guardam dinheiro. Uma boa notícia é que 21% acreditam que guardar uma parte do dinheiro assim que entra na conta é um compromisso. Já 40% só guardam o que sobra e 22% não conseguem poupar nada. Outros 13% não têm preocupação quanto a isso e, na contramão, 4% acham que é importante poupar sempre um valor alto.

Para conferir a pesquise completa entre no site da Anbima

Saiba mais sobre reserva financeira no link

Compartilhar! Facebook LinkedIn Google+ Twitter

Deixe seu comentário O que você achou?

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algum conteúdo impróprio, denuncie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Continua após Publicidade