Com que moeda eu vou para o estrangeiro?

por Cláudia Santos

Se você vai viajar para a Europa, pode parecer simples responder que vai levar euros na carteira. Isso é certo, mas é bom saber que nem todos os países que fazem parte da União Europeia adotam a moeda. Se a viagem for ao Reino Unido, pode trocar seus reais por libras por aqui. Já se o plano é conhecer países do Leste Europeu, por exemplo, é melhor se informar antes de correr à casa de câmbio.

Viajamos em um grupo de sete em um roteiro que incluía países do Leste Europeu. Já  sabíamos que teríamos que fazer câmbio para a moeda local na República Tcheca e na Hungria. Levamos o dinheiro para os gastos em euro e fizemos o primeiro câmbio em Praga. Nosso erro foi fazer a troca no aeroporto, onde as taxas eram menos favoráveis e ainda compramos mais korunas do que o necessário para chegarmos ao hotel e alguns gastos até o dia seguinte, quando os bancos e as casas de câmbio estariam abertos e com taxas melhores.

As notas em koruna (CZJ) lembram a desvalorização do cruzeiro na época da hiperinflação no Brasil. Há cédulas de 100, 200, 500, 1.000, 2.000 e 5.000 korunas. As moedas são de 1, 2, 5, 10, 20 e 50. Por cada euro pagamos 26,4 korunas. É preciso moeda local para pegar transporte público ou táxi. Logo que pegamos o transfer para o hotel descobrimos que podíamos ter usado nossos euros sem problema. Não precisávamos ter trocado mais que 50 euros para passar a noite e o primeiro dia na capital da República Tcheca, que vale cada korun pago.

Continua após Publicidade

Também não foi difícil pagar em euros a conta na padaria, nas lojinhas de artesanato e até mesmo para consumir o tradicional doce trdelnik em qualquer quiosque da cidade, ou as cervejas locais, as pivos. Com tanto turista, é fácil para os tchecos venderem em euro. Difícil para nós é lidarmos com tantos zeros nas notas e as conversões que cada um adota na hora de vender.

No final, se você troca além do necessário, precisa se livrar das coroas tchecas, que só circulam no país, e haja souvenires. Uma parte do grupo usou o que sobrou na conta do hotel.

Descolados com a experiência em Praga, trocamos pouco dinheiro para circular por Budapeste, onde a moeda é o florim (HUF). Decidimos que se fosse preciso cambiar, iríamos ao banco. Igual ao korun, o florim húngaro tem notas com valor elevado para os nossos padrões atuais – 500, 1.000, 2.000, 5.000, 10.000 e 20.000. As moedas são de 5, 10, 20, 50 e 100.

Tente não voltar com elas no bolso, a não ser que queira guardar como lembrança da viagem a essa cidade deslumbrante, com seus palácios e monumentos imponentes, principalmente o Parlamento.

Planejando dá para curtir em euros, florins, korunas e outras moedas. Boa viagem!

Veja o os países que adotam o euro:
Alemanha, Áustria, Bélgica, Eslovênia, Espanha, Finlândia, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Holanda e Portugal
E os países que usam moeda local
Bulgária, Chipre, Dinamarca, Eslováquia, Estônia, Letônia, Lituânia, Malta, Polônia, Reino Unido, Romênia e Suécia. Boa viagem!

Compartilhar! Facebook LinkedIn Google+ Twitter

Deixe seu comentário O que você achou?

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algum conteúdo impróprio, denuncie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Continua após Publicidade